Quando chove.

69fea8f5bc4f716591f9ad1ed1dacbba

Sempre que o tempo muda e começam as primeiras gotas de chuva alguém aponta um guarda-chuva e diz: pegue se proteja, não vá pegar um resfriado! – Não tem um guarda-chuva?! Então leve o meu e depois não se esquece de trazer de volta. – Ei mocinha calce suas botas, não me vá encher os pés de lama! Se a chuva é muito forte e o guarda-chuva resolve arrebentar os amarradinhos há sempre alguém que diz: fique, espere a chuva passar, eu aviso a sua mãe. Mas… logo hoje que esqueci as velhas botas de andar na lama, meu frondoso guarda-chuva negro (como o que vovô usava), alguém se esqueceu de gritar: – Ei garota volte aqui e pegue já seu guarda-chuva! – Ei garota volte aqui! Justamente hoje esqueceram de me dizer que o céu estava negro e haveria um grande temporal. Não me disseram para não sair de casa ou me pediram para ficar. E quando dei por mim… estava tão primaveril para dançar na chuva que manchei meu vestido branco com os salpicos desavisados de lama, enquanto um vento esnobe roubava as flores que enfeitavam meus cabelos. Eu não estava pronta para dançar! E desde já aviso que nem o conselho mais tolo me disse para dançar em meio ao temporal; principalmente sem minhas galochas, a frondosa capa amarela e meu imenso guarda-chuva. Em meio aos pingos tudo o que consigo pensar é que não quero sentar no asfalto úmido e encolher os joelhos, coloca-los grudados ao corpo e me recusar a levantar! Ou talvez eu queira. Mas, os pingos são fortes, o céu está negro e minhas costas doem… E se eu correr? Correr tão rápido que os pingos não poderão me tocar?! Mas eu abro meus olhos, estou completamente encharcada, minhas roupas pesam, minhas sandálias estão descoladas, meus olhos fixos em nuvens expensas que choram grossas lágrimas. Quero um guarda-chuva bem colorido e forte, capaz de suportar os ventos que se arremessam contra meu rosto. Quero dançar… um sorriso entregue a gotas calmas, cansadas… quero a minha chuva cotidiana, mansa, avisada, atrapalhando meu banho de sol, me fazendo reclamar de manhosa, embalando o meu sono de “ai como estou exausta hoje”. Abro os olhos, ainda cai o temporal…

 

 

Texto especial da Larissa Araújo para o blog.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s